Mercado de NPL mostra evolução e amadurecimento, mas ainda requer cuidados

O mercado de NPL (Non Performing Loan), conhecido pelas transações de crédito não liquidadas, cresce ano a ano. Em 2023, o volume de venda de carteiras deve quebrar recorde ao superar a marca de R$ 72 bilhões, de acordo com estimativas da Deloitte.

São vários os fatores que explicam a expansão deste mercado. O primeiro deles é o próprio cenário da economia brasileira, bastante impactada pela pandemia de Covid-19 entre 2020 e 2022, em que diversos setores foram obrigados a paralisar ou reduzir as operações, o que causou diversos prejuízos financeiros.

. “Vejo que a economia mexeu com o mundo e trouxe vários efeitos para o segmento de Crédito e Cobrança e recuperação de crédito em geral, devido o aumento da inadimplência decorrente de fechamento de todo o mercado, muita gente perdendo negócios, perdendo renda”, afirma Marcelo Souza, gerente executivo do Banco BV.

Ainda para o executivo do BV, a pandemia resultou em alguns eventos extraordinários, em que houve bastante renegociação de dívidas com ofertas mais agressivas, a fim de recuperar o crédito. Ainda assim, a ‘bolha de inadimplência’ gerada pela doença já se dissipou e o mercado já superou os efeitos mais críticos da pandemia.

Ricardo Takeyama – Banco BMG

Ricardo Takeyama, diretor de Crédito, Cobrança e Analytics do Banco BMG, concorda com a análise de Souza e lembra que o mercado de crédito já passou por várias crises e que, após a expansão da concessão de crédito, é normal ter de lidar com um período de ressaca.

Sustentabilidade do negócio

No início de 2023, o total de brasileiros com dívidas em atraso superou a casa dos 70 milhões. Atualmente são 66,8 milhões de brasileiros com pendências, de acordo com dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). Ainda que o mercado tenha acompanhado uma queda no número de inadimplentes, entre eles pelo incentivo do governo por meio do programa Desenrola, o desafio de reinserir este volume de pessoas no ciclo de crédito ainda é grande.

Paulo Moraes Ferreira – Return Capital

Paulo Ferreira, diretor da Return Capital, vai além: se o mercado não encontrar maneiras de reinserir estas pessoas no crédito, terá de enfrentar um momento em que não haverá mais para quem emprestar.

Assim, em casos em que o nível de endividamento é maior e costuma não caber no bolso do cliente, compete às empresas trabalharem descontos mais agressivos, aliados a parcelamentos mais alongados. Ao mesmo tempo em que os bancos ‘fecham a torneira do crédito’, Marcelo Souza aposta que as próximas safras de concessão apresentarão melhores perfis de clientes e melhores preços.

“Ainda existe muito espaço para expansão de crédito no Brasil, então o mercado de NPL por consequência também acho que vai continuar crescendo. Independente de estarmos no cenário de alta baixa de inadimplência.”

Amadurecimento do mercado

Diretor do Banco BMG, Takeyama também acredita na expansão do mercado de NPL, desta vez sob o prisma da gestão de portfólios:

. “Você pode querer fazer a cessão porque parte daquela carteira você entende que não é mais o foco da sua operação de cobrança. Ao cedê-la, você concentra esforços no que é o core da sua operação. Pode ser algum segmento de produto ou mesmo um produto inteiro que a instituição decidiu sair. E a cessão é uma saída mais rápida, além de eventualmente reduzir custo interno com uma estrutura que você precisa manter. Enfim, continuo vendo o mercado de NPL com bastante perspectiva de negócios daqui para frente.”

Assim, além de melhorar os resultados de balanços trimestrais, a venda de carteiras de clientes com pendências deixa de ser um prejuízo para o credor para ser mais um produto de prateleira para o mercado.

O aumento de players no mercado corrobora com a visão do especialista. “Antes, ficávamos muito limitados a uma pequena quantidade de players que faziam essa compra. Agora é possível abrir uma concorrência bastante grande. Consigo, inclusive, fazer algumas segmentações dentro da sua própria carteira para tentar maximizar preço”, continua Takeyama.

Marcelo Souza também vê como positiva a expansão de empresas especializadas em NPL e acredita que o mercado está em processo de evolução e amadurecimento, o que favorece a segmentação de carteiras, maior competitividade e maximização de resultados.

No entanto, os contratantes devem se atentar ao histórico dos contratados e aos processos praticados pelos gestores de carteira. “Temos de ter muito cuidado para saber quem são esses players e, principalmente, quem vai gerenciar a carteira comprada. Muitas vezes, são investidores de fora e não conhecem o Brasil. Às vezes, não se preocupam tanto com o gestor ali que vai operar essa carteira. Isso pode gerar algumas consequências no futuro. Então, devemos ter o cuidado de tão só buscar preço, mas buscar segurança operacional”, conclui o gerente executivo do Banco BV.

Siga todas as informações do Open Hub News no Linkedin ou em nossa Newsletter.
  

Autor